terça-feira, fevereiro 28, 2006

! Post Final !


Este trabalho desenvolvido no âmbito da disciplina de biologia veio mostrar-nos a posição da igreja em relação á clonagem (terapêutica e reprodutiva).
Em suma podemos concluir que a posição da igreja é bastante nítida em relação á clonagem, ou seja, é totalmente contra.
Os motivos que levam a esta posição são variados como podemos constatar nos posts inseridos neste blog. Sendo os principais motivos os seguintes:

-Contra a clonagem reprodutiva: a geração de vida humana deve estar associada ao amor e á afectividade. Sendo assim a sexualidade é o único meio de reprodução apoiado pela igreja. Caso contrario estaríamos a interferir nas fontes naturais de vida humana.

-Contra a clonagem terapeutica: destruir um embrião, ou seja um ser humano, que segundo a igreja já o é a partir da fecundação(já que está formada uma alma), é um acto errado já que este seja apenas para salvar outro. Assim sendo teríamos que "matar um ser humano" para salvar outro da morte.

Esperamos que com este blog tenham ficado elucidados das principais razões que levam a igreja a estar contra a clonagem...

FIM!

Contra a clonagem de seres humanos...

"Eu sou em princípio contrário à clonagem porque estão elevados valores humanos em causa.

-Primeiro, a reprodução idêntica de uma pessoas a partir de outra, mediante manipulação genética, constituiria um empobrecimento da diversidade humana: passaríamos a ser todos iguais num igualitarismo redutor.

-Segundo, a clonagem seria uma manipulação grosseira da fontes da vida humana. Atentaria contra o que é pressuposto básico na geração da vida humana: o amor afectivo. A clonagem seria reprodutiva assexuada, de laboratório, fora do contexto familiar que acolhe e educa o novo ser humano gerado como próprio, isto é, de um Homem e de uma mulher que se amam e estabelecem o ambiente para que o fruto das suas entranhas seja amado. Pela clonagem foge-se à dignificante função de ser pai e mãe: em realidade não haveria.

-Terceiro, logo a clonagem não é humana, ao contrário, é desumanizadora e derpersonalizante; não respeita o ideal moral da reprodução da vida humana através da sexualidade.

-Quarto, além do mais, pela fé, ou seja, como forma de elevarmos é mais alta dignidade a vida humana, dizemos que o ser humano, através da sua dimensão sexual, é gerador de vida humana enquanto colaborador de Deus criador. Ora, esse valor teológico da relação Homem- mulher desapareceria mediante a reprodução por clonagem.

*Concluindo, só nos animais, em certos casos rigorosamente regulamentados pela sociedade civil, em função do melhoramento da vida humana, se poderia praticar a clonagem. Por exemplo, para obter uma lã que não consegue senão num determinado clima habitado pela ovelha donde se reproduz o seu igual ou para conseguir ter um certo animal necessário noutro ambiente onde ele não se poderia reproduzir naturalmente."

"Armindo dos Santos Vaz, sacerdote e professor da Universidade Católica Portuguesa. Público."

Retirado de: http://www.bioaulas.web.pt

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

O que a Igreja diz da pesquisa biomédica?


"A Igreja envolveu-se particularmente no debate surgido pelas questões éticas que surgem com a experiência com células-tronco (ou estaminais). Qual é a posição da Academia Pontifícia para a Vida neste sentido?
Dom Elio Sgreccia: Neste sentido, vale a pena lembrar que, no documento de nossa Academia dedicado ao uso das células estaminais (Cf. Zenit, 24 de Agosto), expressa o alento à pesquisa com as células estaminais extraídas do organismo do adulto ou, no nascimento, do cordão umbilical, assim como dos fetos abortados involuntariamente, em conformidade com hipóteses convalidadas por pesquisas credenciadas internacionalmente.
O incentivo para tentar remediar as graves doenças por este caminho tem sido repetido, alentado e aplicado nas próprias instituições de pesquisas de inspiração católica. O facto de que nossa própria Academia tenha expressado um julgamento negativo desde o ponto de vista ético da utilização destrutiva de embriões com o objectivo de pesquisar com células estaminais e de toda forma de clonagem humana, também chamada de maneira inapropriada de "terapêutica", deve-se a motivos baseados na ética racional e não em um instância baseada unicamente na fé religiosa."
Consultar a entrevista na íntegra em: http://www.acidigital.com/clonagem/biomedica.htm